Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Professora da FACED participa de entrevista sobre o "Dia Internacional de Combate ao Trabalho Infantil"

  • Escrito por Super User
  • Publicado: Segunda, 12 de Junho de 2017, 21h25
  • Acessos: 129

Links relacionados:

O dia 12 de junho, por iniciativa da Organização Internacional do Trabalho (OIT), desde 2002, não marca apenas o dia dos namorados. A data também é efetivamente lembrada como Dia Internacional de Combate ao Trabalho Infantil. Desde então, mobilizações e campanhas são adotadas por órgãos e entidades como medidas de proteção às crianças e aos adolescentes nesta situação. A Pesquisa da Professora Dra. Ana Paula Vieira e Souza, do Campus Universitário de Bragança - UFPA, aponta a realidade do trabalho infantil, na Amazônia Paraense.

 

A pesquisa se origina do desejo da Professora Ana Paula em comunicar a respeito do trabalho infantil. Para ela, é importante lembrar a sociedade paraense, que este fenômeno social, tem negado o direito às crianças e aos adolescentes de viverem suas infâncias de forma plena, de frequentarem a escola, bem como, de vivenciarem um aprendizado de qualidade e o direito de brincar.

 

Para a pesquisadora Ana Paula Vieira, a sua Tese de Doutorado, defendida em 2014, possui um grande valor social na medida em que revela o trabalho infantil como um tipo de atividade que produz sofrimento às crianças e cumpre uma função econômica para as famílias. “O trabalho infantil é sustentado no discurso ideológico de se constituir como forma positiva de educação. Também é justificado no discurso de que pode ser solução para a pobreza de crianças e adolescentes de origem trabalhadora, além de ser contrário ao trabalho socialmente necessário” , declara a Professora.

 

Contexto do trabalho infantil

 

No Brasil, até o ano de 2004, mais de 5 milhões de crianças e adolescentes trabalhavam na faixa etária entre 5 e 17 anos. Os dados coletados pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) mostram que entre 2004 e 2009, o número passou para 4 milhões. Apesar do número elevado, os dados apontam uma redução no trabalho infantil.

 

Em 2013, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o país possuía mais de 3.180 milhões de crianças e adolescentes trabalhando, em 2014 o contingente subiu para 3.331 milhões e tem aumentado mais de 10% entre um ano e outro.

 

O Estado do Pará, em 2014, concentrou o maior número de crianças ocupadas na faixa etária entre 05 e 09 anos, mais de 15 mil. Possui a maior população infanto-juvenil da Região Norte, mais de 2.1 milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos, sendo 223.9 mil estavam ocupadas em 2014. Se relacionar os números com o do ano de 2013, de 8,7 mil crianças ocupadas, houve um aumento de 71,59% (DIEESE, 2014).

 

 

Achados da Tese

 

A pesquisa realizada pela Professora Dra. Ana Paula Vieira e Souza identifica que o trabalho infantil, na Amazônia Paraense, atravessa o cenário da escola, uma vez que os discursos das crianças e dos adolescentes revelam que, a forma de trabalho, manifesta-se como fonte de sofrimento, como prática social que produz o estranhamento e possui uma pedagogia própria.

 

Conclui-se que o trabalho infantil forma as crianças e os adolescentes para a lógica do capital, promovendo a aceitação da sociedade, como forma de um obstáculo na superação dos conflitos, de livrar a criança da bandidagem.

 

A Pesquisadora Ana Paula Vieira e Souza apresenta dados recentes de 2017, a respeito deste cenário, revelando que 17,3 milhões de crianças e adolescentes até 14 anos vivem em situação de baixa renda. A Região Norte apresenta maior índice no país, com 60% de crianças, respectivamente vivendo nessas condições.

 

 

Entrevista

 

Para dialogar sobre o Dia Internacional de Combate ao Trabalho Infantil, a Profa. Dra. Ana Paula concedeu hoje, 12/06/2017, uma entrevista à Rádio Educadora FM da Fundação Educadora de Comunicação onde foram divulgados dados atualizados desse fenômeno social, que nega direito as infâncias e do crescente número de crianças e adolescentes ocupadas no Estado do Pará.

 

Serviço:


Entrevista sobre o “Dia Internacional de Combate ao Trabalho Infantil”.

Data: 12 de junho de 2017.

Local:  Rádio Educadora FM 106,7.

Texto: Ana Paula Vieira e Souza – Professora da FACED/CBRAG/UFPA

Agradecimentos: Radialista Beto Amorim e a aluna da Turma 2014 de Pedagogia Luzileida Sousa Correa.

 

Leia também>> Pesquisadora da UFPA aponta realidade trabalho infantil na Amazônia paraense

registrado em:
Fim do conteúdo da página